Semana 02: A Fortaleza de Sharpe #52semanas

Um grande amigo meu tem uma certa raiva por Bernard Cornwell: o final de cada capítulo ocorre sempre da mesma forma, independente do livro.  E é verdade. É uma fórmula que o autor usa e que funciona – gostar de Cornwell é como gostar de AC/DC: se você gostou de uma música, irá gostar de todas.

A Fortaleza de Sharpe dá continuidade à história do agora Alferes Richard Sharpe, um soldado inglês que acompanha toda a trajetória do Duque de Wellington, general inglês que derrotou Napoleão em Waterloo.  O livro, como podia-se esperar, é fantástico – tudo isso devido em parte pela personagem fascinante que é Sharpe, um soldado corajoso mas com muitas falhas, quem nem sempre faz o que é correto. Achei difícil de abandonar esse livro – pra ter uma ideia terminei a leitura as 5h da madrugada.

A época em que Sharpe se passa é fascinante: o poder bélico vai evoluindo cada vez mais, mas aspectos de tempos mais antigos ainda resistem. Muito embora possuam mosquetes e canhões, as batalhas mais interessantes são aquelas lutadas com espadas.  Bom, isso é óbvio: grandes histórias precisam de espadas.

Semana 01: O Condenado #52semanas

Ano passado eu achei que li pouco, então esse ano vou trabalhar com metas. Quero ler um livro por semana e esse projeto ganhou o nome de #52semanas, devidamente inspirado no #366dias do Nick Elis. Posso dizer que na primeira semana deu certo. Ontem terminei de ler O Condenado, de Bernard Cornwell. Um livro um pouco diferente do que o autor geralmente escreve, mas muito interessante.

O Condenado não se preocupa em contar a história de uma grande batalha ou então de um personagem importante da História – é um thriller histórico, que retrata magistralmente os costumes de uma Londres pós Waterloo, batalha essa que volta e meia é nos mostrada através dos olhos do Cap. Sandman, um soldado inglês que participou das Guerras Napoleônicas e protagonista desse livro. Sua missão é investigar um assassinato e tentar livrar um inocente da forca.

O livro é único, não faz parte de nenhuma trilogia ou algo do gênero, é pequeno (318 páginas) e muito rápido de ler. A história é envolvente, os personagens são cativantes e o final é inesperado. Muito embora seja um livro extremamente linear, em que o acontecimento A leva à B e que B leva à C, a história transcorre naturalmente. Bernard Cornwell possuí uma formula que está presente em todos os seus livros e o resultado disso é uma obra difícil de abandonar.

Assim como todos os livros de Bernard Cornwell, O Condenado está recomendado.

E a Semana 02 começou com um livro que eu estava morrendo de vontade de ler – mais um do Cornwell, claro: A Fortaleza de Sharpe, terceiro volume da saga de 21 livros e a minha favorita.